Startrekbr’s Weblog

março 13, 2008

Os Borgs

Filed under: Noticias — Tags:, , , , — startrekbr @ 15:36

A Coletividade BORG, é uma civilização imensamente poderosa de humanóides, habitando o quadrante DELTA da Galáxia. Os BORG operam conquistando mundos inteiros e assimilando as civilizações e tomando seus avanços tecnológicos. Possuem implantes com dispositivos cibernéticos, com grande tecnologia de combate. Cada Borg se conecta a uma rede de comunicação através do subespaço, que dota a cada membro de vigilância constante e guia, convertendo-se em uma consciência compartilhada com o coletivo, onde a idéia do individuo é um conceito sem sentido, nesta forma de existência da coletividade Borg.Se implantam nos membros individuais das raças assimiladas, enxertos cibernéticos sofisticados, que permitem a cada individuo realizar uma tarefa especifica como é requerido pela coletividade. A energia mental da consciência do grupo pode ajudar a um individuo avariado, a sanar ou regenerar partes do corpo danificado por meios biomédicos. Os Borg exibem um alto grau de inteligência e adaptabilidade em suas táticas. A maioria dos meios de defesa ou ataque contra eles, somente funcionam uma única vez, pois quase imediatamente depois, eles se adaptam aos mesmos e assim não podem ser mais danificados.

QUADRANTE DELTA

A Raça e Fisiologia dos Borgs

FISIOLOGIA BORG:
Os Borgs são uma espécie de humanóides “melhorados”. Originalmente eram completamente orgânicos, mas seu desenvolvimento evolutivo os levou a criar uma eficiente estrutura social que se tornou uma consciência coletiva a través de implantes cibernéticos.

Para os Borgs, o pensamento pela ação individual são considerados sinais de imperfeição. Viajam através do universo em naves em forma de cubos, buscando novas civilizações para assimila-las a sua própria consciência. Eles não se limitam a assimilar o individuo, eles assimilam TUDO, culturas, espécies, mundos inteiros, tudo em função de encontrar a perfeição. Se um Borg morre ou sofre danos alem de qualquer possibilidade de reparos, sua memória continuara retida pela coletividade. Em algum sentido, os Borgs são imortais.

Cada Borg tem implantes cibernéticos os quais variam dependendo da tarefa designada ao individuo. O individuo que foi assimilado, só tem que escutar o pensamento de milhares, que lhe transmite a tarefa que deve cumprir, desta maneira não tem que decidir de forma independente ou preocupar-se do curso de ação a tomar. Como resultado, no individuo se implanta uma armadura exterior e um sentido de cooperação para com a coletividade.

ORIGEM:
Os Borgs são originários do Quadrante Delta da Via Láctea. A idade especifica dos Borgs é desconhecida, embora se crê que alcance a ordem de vários milhares de milênios. São seres híbridos, que possuem tanto partes orgânicas como implantes sintéticos. Não há propriedades que diferencie as partes humanóides de um humanóide real, já que são a conjunção de milhares de humanóides e outras espécies que foram assimilados por séculos.

A ASSIMILAÇÃO:
A assimilação é a maneira em que os Borgs agregam conhecimento a seus indivíduos, também é o propósito de sua existência. Quase todas as espécies que tenha entrado em contato com os Borgs foram assimiladas. A espécie 8427 é uma notável exceção do caso. A assimilação é feita através da implantação de nanosondas por debaixo da pele das vitimas. Estas nanosondas passam para a corrente sanguínea e atacam as células sanguíneas obrigando-as a trabalharem juntas e preparar o corpo para receber os implantes. Milhares destas nanosondas podem ser injetadas em segundos, provocando com que os efeitos iniciais da assimilação seja imediato.


As interfaces bio-tecnológicas para com os implantes cibernéticos também são criadas pelas nanosondas, tudo em função de preparar o corpo da vitima para o procedimento cirúrgico. Este procedimento inclui modificações de membros para tarefas específicas, e, inclusive, implantes ópticos e neurais.
Em todos os indivíduos assimilados se instala um implante neural o qual é irremovível. Este implante é o que proporciona a conexão do individuo com o resto da coletividade.

Dados Sobre os Borgs

DADOS CULTURAIS:

Praticamente não há nenhum conhecimento da cultura Borg em um sentido usual. Os Borgs não possuem nenhuma estrutura política ou de comando em um sentido conhecido. Cada forma de vida Borgs (chamado “drone”) estão enlaçadas entre si através de um tipo de rede de comunicação subespacial dentro de um grupo de mentes singulares conhecidas como a Consciência da Coletividade Borg.

O conceito de individualidade e liberdade aparentemente são irrelevantes para os Borgs e são unicamente experimentados durante sua fase de regeneração quando passam a um lugar chamado Unimatrix. Desde que um individuo se une a consciência grupal, aparentemente não há necessidade de uma linguagem escrita ou falada. Cada drone Borg pode acessar o conhecimento, recordações e experiência de qualquer outro drone da coletividade, outorgando-lhe virtualmente conhecimento sem limite. Esta característica provê aos Borgs uma ampla vantagem, dando-lhe o conhecimento e a experiência de cada Borg da coletividade para concentrar-se em uma tarefa especifica simultaneamente. Os Borgs tem demonstrado esta capacidade em numerosos encontros tácticos, revelando que são capazes de adaptar-se quase instantaneamente ao ataque, quando se submetem a situações de combate.

O dano que recebe uma nave em combate é reparado em pouco tempo. A verdadeira velocidade ao qual os Borgs são capazes de adaptarem-se a uma situação em particular, é desconhecida. A única razão ou intenção dos Borgs, parece ser a assimilação de outras culturas e de sua tecnologia. As formas de vida que consideram inferiores não são assimiladas. São simplesmente destruídas.

DADOS Tecnológicos:
O pouco que se conhece da tecnologia Borg foi tão somente o que foi observado nos diversos encontros. Os Borgs, possuem a habilidade de viajar a velocidades maiores que as da federação. O desenho mais comum de nave Borg, é uma nave em forma de cubo, a qual se crê que é o desenho standard. Um grupo Borg renegado encontrado em 2370 utilizou um desenho muito diferente. A nave era assimétrica e não possuía os atributos comuns das naves de tecnologia Borg. Se desconhece se esta nave em particular é de origem Borg. tanto o ataque como a defesa borg é avançada e poderosa. Suas capacidades defensivas são capazes de adaptar-se rapidamente as armas usadas pela federação e outras culturas. A isto incluindo a rápida adaptação a armas que operam entre parâmetros que são modificados aleatoriamente. Estas armas tem um efeito limitado, mas não o suficiente para causar um dano significante antes de que as defesas Borg se adaptem ao ataque. Os implantes pessoais em cada drone Borg, é similarmente avançado, permitindo que cada drone funcione tanto como uma unidade de combate ofensivo como defensivo, alem de servir, simultaneamente, como num terminal de computador central Borg.

Dados Estruturais:
Os primeiros encontros com os Borgs, revelaram que não há um processo de decisão centralizado, nem nenhuma fonte de ordens centralizada. Ainda que, nos ataques Borgs, mais recentes, a tripulação da USS Enterprise NCC-1701-E encontrou um ser que se identificava como a Rainha Borg. Este ser dizia ser a essência dos Borgs, citando que ela só controlava os incontáveis borgs dentro do coletivo. Ainda assim, depois do fim da Rainha Borg, nas mãos do Capitão Jean Luc Picard, a atividade Borg tem seguido funcionando. A eliminação da Rainha Borg parece não ter tido impacto na estrutura da Coletividade Borg.

Logo, as informações sobre o líder Borg se desvaneceram, porque os borgs, não se viram afetados pela destruição da Rainha Borg. Ainda é um mistério como a repartição do trabalho é distribuído na coletividade. O que se conhece da estrutura de comando dos Borgs, é que está dividida em três maiores áreas de sub-comandos: Comunicação, Navegação e Defesa. Estes parecem cobrir o total de ações necessárias.

Estrutura da Coletividade:

O imenso conhecimento de todas as mentes assimiladas pelos Borgs funcionam como uma só, e cada Borg é parte de una gigante rede de comunicações subespaciais chamada a Coletividade Borg. Toda a informação importante é transmitida a cada Borg por meio desta rede, permitindo-lhes uma instantânea adaptação e reação a qualquer fator exterior.

A Coletividade esta organizada em varias “colméias” as quais contam, alem dos indivíduos, com uma Rainha. A Rainha não cumpre a função de dar a luz novos indivíduos, mas é a consciência central que dita a vontade e os motivos que movem a “colméia”. Ela utiliza o pronome “Eu” em vez de “Nós”, mas, não parece ser um verdadeiro individuo, embora diferente do resto, parece manter uma continua consciência.

Existe também um alto grau de redundância na estrutura de comando dos Borgs. Isto demonstra uma vez mais que para eles é importante a eliminação de dependências individuais. Isto tem provado ser uma vantagem táctica enorme para os Borgs. Inclusive se uma porcentagem significativo da coletividade é danificada ou destruída, não afeta o rendimento geral da coletividade.

Histórico dos Encontros com a Federação

2365 – O primeiro encontro da Federação Unida dos Planetas com os Borgs foi quando a nave estelar da Federação USS Enterprise-D foi transportada (pela entidade “Q”) para um ponto uns 7.000 anos-luz fora de seu curso original, setor J-25 no Quadrante Delta, onde confrontou uma nave hostil em forma de cubo dos Borg. Nesta oportunidade os borgs sondaram a nave da Federação e descobriram a existência de muitos mundos a serem dominados no Quadrante Alfa.

2365 – Os Borgs entraram em espaço da Federação rumo a Terra. Nesta época apesar do alerta dado pela USS Enterprise-D de uma possível invasão, as forças de defesa da Frota Estelar ainda não estavam preparadas. Os Borgs invadiram a nave estelar USS Enterprise-D e seqüestraram o capitão Jean-Luc Picard. Picard foi assimilado e transformado em uma entidade que se identificou como Locutus dos Borgs. Locutus, sendo conectado a Coletividade Borg, orientou o ataque subseqüente dos Borgs a armada da Federação sediada no sistema Wolf 359, destruindo 39 naves estelares com a perda de 11.000 vidas. Logo após, a USS Enterprise-D que não participou da grande batalha, conseguiu capturar Locutus na nave Borg. O Tenente Comandante Data utilizando o contato com a coletividade de Locutus pôde plantar um comando, incapacitando os Borgs que resultou na suspensão do ataque. Quando os Borgs se deram conta da interferência de Data, eles iniciaram autodestruição da nave para prevenir o acesso adicional de Data em seus banco de dados.

2368 – Destroços de uma pequena nave Borg foram descobertos em uma lua no Agrupamento de Argolis pela USS Enterprise-D. Um Borg ferido jovem foi salvo, único sobrevivente de um grupo de 5 drones. Ele foi desativado e salvo pelos esforços combinados do Engenheiro Chefe da nave e da Oficial Médica. Estando desconectado da coletividade Borg, ele começou a exibir sinais de individualidade. Esta individualidade foi encorajada pela tripulação que o nomeou de Hugh. (Ele tinha se identificado previamente como “3 de 5”.). Ele foi devolvido para o local dos destroços para ser resgatado por outra pequena nave de reconhecimento Borg.

2369 – Respondendo uma chamado de socorro do posto avançado em Ohniaka 3, a USS Enterprise-D confrontou uma nave não identificada orbitando o planeta que depois provou ser um tipo desconhecido de nave Borg. Os Borgs hostis encontrados no planeta se comportavam significativamente diferente de todos os Borg previamente conhecidos, parecendo seguir iniciativa individual, referindo-se a eles na primeira pessoa e um ao outro através de nome. Eles provaram ser uma facção renegada dos Borgs que tinha sido “infectado” pelo senso de individualidade que o drone Hugh ganhou enquanto estava sob custodia da tripulação da USS Enterprise. A estrutura de comando deles tinha sido destruída. A chegada inesperada de Lore mudaria este caos. Lore, nomeado como líder daqueles Borgs, se comprometeu em fornecer a eles os meios para tornar-se completamente livres, liberando-se de dependência da porção orgânica de seus corpos. Esta ofensiva foi detida quando Lore foi desmantelado por seu “irmão” o Tenente Comandante Data. Este grupo de Borg individuais continuou junto, desligados do coletivo. A partir de então os movimentos destes Borgs são desconhecidos.

2372 – Os Borgs lançam uma segunda invasão numa tentativa para assimilar a Terra. Embora a frota da Federação tenha sido bem sucedida no ataque dos Borgs, uma Esfera Borg escapa dentro de um turbilhão temporal para à Terra do século 21. No passado, os Borgs tentam modificar a história da Terra detendo Zefram Cochrane, o pioneiro dos vôos em dobra no espaço em 2063. A tripulação da USS Enterprise-E, segue a Esfera Borg através do turbilhão temporal para o passado, assegurando que Cochrane fosse capaz de fazer seu primeiro vôo de dobra lendário e o primeiro contato extraterrestre com os Vulcanos.

2373 – Se descobriu mais tarde que a Rainha Borg destruída pela tripulação da USS Enterprise-E era unicamente uma de muitas dessas entidades que existem dentro da Coletividade Borg. A nave estelar da Federação USS Endeavor descobriu uma Esfera Borg que havia colidido em um planeta classe M no Quadrante Beta, designado Sistema M-24. O único sobrevivente Borg foi outra Rainha Borg, que se descobriu mais tarde ser a criadora da Coletividade Borg a mais de 1.5 milhões de anos atrás.

2373 – A tripulação da nave estelar U.S.S. Voyager descobre um cadáver Borg num planeta no Quadrante Delta enquanto comercia com os Colonizadores Sakari o mineral gallicite. Algumas semanas depois, numa região de espaço conhecido como a Extensão Do Nekrit, a nave estelar USS Voyager descobre um planeta habitado com Borgs que já tinham sido drones e que tinham de algum modo quebrado o elo que os ligava a coletividade. Infelizmente, numa sociedade livre, os antigos drones se transformaram em seres destrutivos entre si. Os sobreviventes solicitaram a tripulação da Voyager para os ajudar a reativar um Cubo Borg, a fim de que esse novo “coletivo” gerado pelo cubo pudesse restaurar a harmonia na sua sociedade.

2374 – A USS Voyager entra no coração do espaço Borg, testemunhando a destruição de uma frota de cubos Borg por uma forma de vida estranha. A tripulação do Voyager logo percebe o perigo dessa nova raça alienígena denominada pelos Borgs de Espécie 8472. Ainda em perigo de assimilação, a Capitã Janeway é forçada a fazer uma aliança temporária com os Borg, oferecendo a eles um caminho para derrotar seu novo inimigo em troca de passagem segura através do espaço Borg. A coletividade Borg concorda com este acordo, e os dois lados colaboram em criar uma arma biogênica que pode derrotar os invasores. Os Borgs selecionam um dos seus assimilados, a drone Sete de Nove, para trabalhar com a tripulação de Voyager. Que depois é incorporada a tripulação.

2376 – A capitã Janeway da USS Voyager consegue apoderar-se da tecnologia de Transdobra dos Borgs e evita um ataque maciço a setor 001 da Federação viajando mais rápido que as naves Borgs e ao mesmo tempo retornando ao Quadrante Alfa.

Os Borgs Famosos

RAINHA BORG: É o centro da coletividade Borg, que traz ordens a coletividade de vozes dentro da consciência compartilhada. Ela é o “um que era muitos”, e nisso ela incluiu elementos de individualidade assim como sendo o nódulo central numa imensa mente de grupo. Existem várias Rainhas Borg, provavelmente em cada “colméia borg” exista um Rainha. A Rainha não cumpre a função de dar a luz novos indivíduos, mas é a consciência central que dita a vontade e os motivos que movem a “colméia”.
LOCUTUS DE BORG: Em 2366 os Borgs entraram em espaço da Federação rumo a Terra. Os Borgs invadiram a nave estelar USS Enterprise-D e seqüestraram o capitão Jean-Luc Picard. Picard foi assimilado e transformado em uma entidade que se identificou como Locutus dos Borgs. Locutus, sendo conectado a Coletividade Borg, orientou o ataque subseqüente dos Borgs a armada da Federação sediada no sistema Wolf 359, destruindo 39 naves estelares com a perda de 11.000 vidas. Logo após, a USS Enterprise-D que não participou da grande batalha, conseguiu capturar Locutus na nave Borg. O Tenente Comandante Data utilizando o contato com a coletividade de Locutus pôde plantar um comando, incapacitando os Borgs que resultou na suspensão do ataque.
3 OF 5 (HUGH): Destroços de uma pequena nave Borg foram descobertos em uma lua no Agrupamento de Argolis pela USS Enterprise-D. Um Borg ferido jovem foi salvo, único sobrevivente de um grupo de 5 drones. Ele foi desativado e salvo pelos esforços combinados do Engenheiro Chefe da nave e da Oficial Médica. Estando desconectado do coletividade Borg, ele começou a exibir sinais de individualidade. Esta individualidade foi encorajada pela tripulação que o nomeou de Hugh. (Ele tinha se identificado previamente como “3 de 5”). Ele foi devolvido para o local dos destroços para ser resgatado por outra pequena nave de reconhecimento Borg, mas sua individualidade foi assimilada por alguns Borg quando Hugh voltou a Coletividade Borg.
SEVEN OF NINE: Seven of Nine é uma Borg que entrou para a tripulação da USS Voyager logo que os Borgs mostraram a cara pela primeira vez. Sua permanência não estava prevista, mas como tentou assimilar a nave, os tripulantes deram um jeito de separá-la da mente coletiva e remover a maioria de seus implantes. Desde então tem recebido o carinho e apoio dos novos colegas, no entanto há vezes em que a confiança nela deve ser limitada. Seven of Nine foi assimilada pelos borgs quando tinha apenas 4 anos de idade. Seus pais era exobiologistas em 2355 a bordo da USS Haven e estavam atrás da lenda da raça Borg. Conseguiram uma nave e perseguiram sua intuição e pistas até se defrontarem com um cubo borg, mas acabaram por subestimar essa raça e os três foram assimilados.

Algumas Naves Borgs

QUADRANTE DELTA CUBO BORG: O Cubo é uma nave espacial de grande tamanho operada pela coletividade Borg. A experiência de combate mostrou que a nave esta equipada com armas de energia poderosas e capazes de reparar e consertar os danos quase imediatamente, inclusive o impacto de golpes de phaser diretos.
esfera BORG: Nave auxiliar Borg utilizada para escapar dentro de um turbilhão temporal para à Terra do século 21. Esta nave utiliza condutores de transdobra viajando em velocidades bem maiores do que as naves da Frota Estelar.
DIAMANTE BORG: Poderosa nave utilizada para transportar uma das Rainhas Borgs. Esta nave foi vista pela primeira vez pela USS Voyager no Quadrante Delta.
NAVE ASSIMÉTRICA BORG: Nave de grande porte encontrada pela USS Enterprise-D em Omicron Theta. Quando da incursão de um pequeno grupo de Borgs renegados comandados por Lore.Fonte: http://www.ussventure.eng.br

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: